segunda-feira, 21 de janeiro de 2013

Futuros Amantes


Futuros Amantes
  Chico Buarque

Não se afobe, não 
Que nada é pra já 
O amor não tem pressa 
Ele pode esperar em silêncio 
Num fundo de armário 
Na posta-restante 
Milênios, milênios 
No ar
E quem sabe, então 
O Rio será 
Alguma cidade submersa
Os escafandristas virão 
Explorar sua casa 
Seu quarto, suas coisas 
Sua alma, desvãos 
Sábios em vão 
Tentarão decifrar 
O eco de antigas palavras 
Fragmentos de cartas, poemas 
Mentiras, retratos 
Vestígios de estranha civilização 
Não se afobe, não 
Que nada é pra já 
Amores serão sempre amáveis 
Futuros amantes, quiçá 
Se amarão sem saber 
Com o amor que eu um dia 
Deixei pra você

Fontes:
http://letras.mus.br/chico-buarque/66065/
http://www.youtube.com/watch?v=mN306Fkg6Wg

domingo, 20 de janeiro de 2013

Carpe Diem


Em mais uma madrugada insone das minhas férias, resolvi zapear pelos canais de televisão, quando me deparei com um filme que assisti em uma aula de filosofia, há muitos e muitos anos, no 1º ano do atual Ensino Médio (na minha época era 2º grau). O filme era Sociedade dos Poetas Mortos (Dead Poets Society). Graças a minha insônia pude relembrar o significado de uma expressão que passei a usar muito no final da adolescência: Carpe Diem!!! "Aproveite o dia!" Esse deveria ser o lema de todos. Aproveitar a vida, pois ela passa muito rápido.
Bom, chega de melancolia e vamos ao filme:


O professor John Keating entra na sala de aula assobiando, é o primeiro dia do ano letivo, passa pelos alunos e desperta olhares curiosos, encaminha-se para uma outra porta, de saída para o corredor, todos seus pupilos ainda estão de sobreaviso, curiosos e sem saber o que fazer. Keating olha para eles e faz um sinal, pedindo que os estudantes o acompanhem. Todos chegam a uma sala de troféus da escola, onde ao fundo podem ser vistas fotos de alunos, remontando ao início do século, fazendo-nos voltar ao começo das atividades da escola. Pede-se silêncio e, que a atenção de todos volte-se para os rostos de todos aqueles garotos que freqüentaram aquela tradicional instituição de ensino em outros tempos.
O que aconteceu com eles? Para onde foram? O que fizeram de suas vidas? Suas vidas valeram a pena? Perguntas como essas são lançadas aos alunos. Muitos ainda sem saber o que estariam fazendo ali, afinal, não era para estarmos estudando literatura inglesa e norte-americana?
Desconforto e desconserto. O personagem do professor Keating, vivido pelo eclético e versátil (além de extremamente talentoso) Robin Williams, conseguiu o que queria. Deixou seus alunos em dúvida. Iniciou seu relacionamento com eles tentando demovê-los de sua passividade, provocando-os a uma reflexão sobre a vida. Afinal, será que estamos fazendo valer nossa existência? "Carpe Diem", ou seja, aproveitem suas vidas, passou a ser como uma regra de ouro a partir de então para alguns de seus alunos, afinal, vejam o exemplo daqueles que já estiveram por aqui (retratados nessas fotografias esmaecidas, amareladas) e pensem se vocês querem que o tempo passe e vocês venham a se tornar "comida de vermes" em seus caixões sem que nada do que tenham feito por aqui tenha repercutido (como, acreditem, muitos desses jovens das fotografias o fizeram, deixando passar a vida sem perceber a riqueza contida na mesma).
Para fazer com que suas existências tenham valor vocês devem viver com intensidade cada dia que lhes é dado, cada momento que lhes é concedido, cada experiência a qual tem acesso, diz com sabedoria inconteste o ilustre mestre Keating. Por isso, repete, "Carpe Diem".
(Mais detalhes em http://www.planetaeducacao.com.br/portal/artigo.asp?artigo=91)

Fontes:

http://www.planetaeducacao.com.br/portal/artigo.asp?artigo=91
http://3.bp.blogspot.com/_fkSOSSlrXLc/TKzyriAdE1I/AAAAAAAAARs/i1UW2nh_3Dc/s1600/1.jpg
http://fimes-series-musica.blogspot.com.br/2011/04/sociedade-dos-poetas-mortos.html
http://cinemaedebate.files.wordpress.com/2010/09/excentrico-professor.jpg

domingo, 1 de julho de 2012





"... Eu preferia ter sentido o cheiro do seu cabelo uma vez, ter beijado sua boca uma vez, ter tocado sua mão uma vez, do que passar a eternidade sem isso..."

 (Cidade dos Anjos)




“Segue o teu destino…
Rega as tuas plantas;
Ama as tuas rosas.
O resto é a sombra de árvores alheias."


Ricardo Reis



“Eterno é tudo aquilo que dura uma fração de segundo, mas com tamanha intensidade, que se petrifica, e nenhuma força jamais o resgata.”

 (Carlos Drummond de Andrade)